Quarta-feira, 22.11.17

Fusão

Fusão.jpg

Não questiones a razão

Não procures a verdade

Pois existe distribuição

De ambas em quantidade

 

Procura distanciação

P’ra veres a realidade

Com total abstracção

E toda a simplicidade

 

Não retires conclusão

Pois terás uma infinidade

Cada qual com seu pendor

 

Mistura tudo em fusão

Constrói a diversidade

Permite tão só o amor.

publicado por poetazarolho às 05:03 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 16.11.17

Meditação instantânea

Meditação instantânea.jpg

Meu futuro é o passado

Estou bem aonde estou

Por muito ter meditado

É que não sei onde vou

 

Vou daqui a nenhum lado

Mas o pensar disparou

Não penso estar parado

Pois algo me alcançou

 

Foi o verso a caminhar

À deriva pelo universo

Fazendo o poema esperar

 

Tornado o poema disperso

Tenho a certeza de chegar

Mas desconheço o processo.

publicado por poetazarolho às 20:14 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 06.11.17

Esperança sombria

Esperança sombria.jpg

Tudo tem um outro lado

Esperança não é excepção

Até o mais esperançado

Tudo vê cair ao chão

 

Vê o futuro amputado

Na presente degradação

P’la forma como é tratado

Morre a humana condição

 

Nasce esperança sombria

Num mundo tão desigual

Só igual em declarações

 

Pode ser num novo dia

Ou num velho, não faz mal

Lhe mudemos intenções.

publicado por poetazarolho às 07:11 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 24.10.17

Ler a mente

Ler a mente.jpg

Tenta ler a humanidade

Lendo tua própria mente

Rejeitando a opacidade

Que se atravessa na frente

 

Busca somente verdade

Afastando a quem mente

Mas reconhece a realidade

Onde a mentira vigente

 

Disputa com teu saber

Uma ignorância garantida

Própria do tempo actual

 

A todos tenta convencer

Da sua verdade assumida

Como única e universal.

publicado por poetazarolho às 23:47 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sexta-feira, 20.10.17

Busca incessante

Busca incessante.jpg

É necessário ficar louco

Para não enlouquecer

Pode ser apenas um pouco

Mas muito pode parecer

 

Fazer orelhas de mouco

Ao qu’o mundo possa dizer

Gritar até ficar rouco

Mas sem ninguém perceber

 

Pedir desculpa a ninguém

P’la loucura da humanidade

Fixar o olhar vazio no além

 

Sem qualquer ansiedade

Se o mundo oferece desdém

Mostrar ao mundo a verdade.

publicado por poetazarolho às 01:37 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 12.10.17

Rosa negra

Rosa negra II.jpg

Saudade da parte ausente

Que nunca existiu em mim

Cava um vazio premente

Qual rosa negra em jardim

 

Não me quedo descontente

Parto em busca donde vim

Chego ao momento presente

Sem qualquer certeza enfim

 

Sou veículo do pensamento

Que de mim se apoderou

E me fornece esta energia

 

Sou de todo o firmamento

Mas sem saber donde sou

Sei que pertenço à poesia.

publicado por poetazarolho às 00:01 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sábado, 07.10.17

Não sinto

Não sinto.jpg

O mundo não é perfeito

E ninguém o aperfeiçoa

Estou como que desfeito

Sinto o mundo rodar à toa

 

Sinto sua alma sem jeito

Por muito que isso nos doa

Sinto um decisivo efeito

Da sua entranha que troa

 

Não sinto, nem vejo ninguém

Que aposte na sementeira

Desse mundo que há-de vir

 

Não sinto, nem vejo além

Ideia de humanidade inteira

Não sinto, nem a vejo sorrir.

publicado por poetazarolho às 19:56 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 28.09.17

Produtos

Produtos.jpg

É na própria sociedade

Que reside tod’a loucura

Ocultando a sanidade

É o louco que perdura

 

E o que dizer da maldade

Que p’ra tod’o sempre dura

Subornando a verdade

Tornando a mentira pura

 

Sendo então o cidadão

O detentor por direito

Do produto da sua acção

 

Devia rejeitar o defeito

Mesmo feito por sua mão

Que o não deixa satisfeito.

publicado por poetazarolho às 00:08 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sexta-feira, 15.09.17

Era digital

Era digital.jpg

Transitas em consciência

Sem apelo ao factor sorte

Parte da tua existência

Para lá da própria morte

 

Deambulas com insistência

Não sentes qualquer desnorte

E com toda a persistência

Tornas uma parte mais forte

 

Novas estas leis da vida

Não são nada de brutal

Apenas a transformação

 

Da parte que estava perdida

Numa nova que é digital

Chega assim a imortalização.

publicado por poetazarolho às 23:27 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 12.09.17

Perfeita loucura

Perfeita loucura.jpg

Morro o que eu m’apetece

Duma saudade constante

No viver que não esquece

A vida em cada instante

 

Mas não morro de saudade

Pois é de saudade que vivo

Em busca de musicalidade

E num tom contemplativo

 

Contemplo o que aqui vai

Mas não sente o coração

O pulsar da partitura

 

E assim a pauta se esvai

Toda em desconstrucção

Numa perfeita loucura.

publicado por poetazarolho às 23:56 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Favorito

mais sobre mim

links

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

blogs SAPO