A boca da verdade

 

A verdade não usa roupa

A verdade anda sempre nua

A minha verdade ou a tua?

Sei que ela não tem boca

 

Sei que a verdade anda rouca

Sei que é redonda a verdade

Sei também que é propriedade

De alguém que a tem pouca

 

Toma lá dez réis de gente

Com esta mentira descarada

É uma mentira prepotente

 

É também uma verdade forjada

Mas um milhão torna-a diferente

A tua verdade não vale nada.

publicado por poetazarolho às 00:12 | link do post | comentar