Apodreçamos

 

Universo não nos conhece

Esta sociedade não é justa

Na madrugada se anoitece

O calor desta noite assusta

 

Neste seu odor resplandece

O que nem o satã degusta

Nem mesmo a ti te apetece

Servem-te a receita vetusta

 

Não tens como não deglutir

Vem dos escravos do poder

Amassado pelo demo o pão

 

Um dia também irão sentir

Esta forma vil de apodrecer

Pois ao poder já não servirão.

publicado por poetazarolho às 22:45 | link do post | comentar