E=mc²

 

Matéria já não me sinto

Fixado no pensamento

Algo de novo pressinto

Sem ter forma de momento

 

Vagueando sem destino

À velocidade da luz

Vejo tudo pequenino

E a energia que produz

 

Uma ideia produzida

Numa mente alucinada

À parte desta sociedade

 

Pode ser esperança de vida

Mas de pronto rejeitada

Por fugir à mediocridade.

publicado por poetazarolho às 21:26 | link do post | comentar