Outono

 

Outono olhos castanhos

Invernos negros de frio

Primavera verdes tamanhos

Verão vermelhos de estio

 

Vejo as folhas da alma

Que cobrem o pensamento

Caindo em tarde calma

Aproveita-se o momento

 

Vê-se ao longe um sinal

Qual estrela em firmamento

Numa galáxia preenchida

 

Pois as estações afinal

Serão do ano acontecimento

Mas também o são da vida.

publicado por poetazarolho às 19:20 | link do post | comentar