Visão

 

Pr’a ver além do que vemos

Fechei meus olhos e tentei

Pode ser que lá cheguemos

Mas esta visão eu não logrei

 

Só vi uma imensa escuridão

Que a imaginar não t’atrevas

Por fim vi um imenso clarão

Vou te pedir que o descrevas

 

Imagino além da imaginação

Já que esse clarão eu não vi

Era a mudança que já lá vem

 

Ou foi porventura uma visão

De um sonho, pois adormeci

Em acordando sinto-me bem.

publicado por poetazarolho às 23:41 | link do post | comentar