Terça-feira, 29.11.11

Pão e circo

 

Está em marcha a revolução

Esta é contra o cidadão

Quem sobrará então

A toda esta destruição

 

Os mais fortes sobreviverão

Será como Esparta a situação

Crivo natural de selecção

Isento de qualquer protecção

 

Volta-se atrás sem oposição

Pr’a se dar nova progressão

Que te leva à boca do leão

 

Será a nova romanização

Terás grátis circo e pão

Em troca da humilhação.

publicado por poetazarolho às 23:59 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 28.11.11

Metades

 

Já vivi metade da vida

A outra metade viverei?

Esta passou de fugida

A outra metade não sei

 

Se me prega uma partida

Que outra metade terei?

Será metade encolhida

Aquela em que morrerei

 

Se as metades em conjunto

Não perfazem a unidade

Então a metade que passou

 

Está mais próxima do defunto

Que com toda a humildade

Sempre as metades aceitou.

publicado por poetazarolho às 23:00 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Domingo, 27.11.11

Outro Natal

 

O Natal este ano vai ser

Vivido em austeridade

Se não temos pr’a oferecer

Ofereçamos a amizade

 

Será um Natal doravante

Que não deve causar mal

Pode até ser gratificante

Deixa de existir Pai Natal

 

Passa a haver um menino

Deitado numa manjedoura

Nascido na gruta em Belém

 

José, Maria e o pequenino

Serão a imagem duradoura

Desta austeridade também.

 

http://www.youtube.com/watch?v=w3TKrZCZBxE&feature=related

publicado por poetazarolho às 21:12 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Sábado, 26.11.11

Fados

 

O fado de Coimbra ecoa

Do Choupal até à Lapa

Escuta o fado de Lisboa

Do Rossio à Madragoa

 

Um vem de capa e batina

Presenteia com a serenata

Uma jovem e bela menina

No outro a guitarra trina

 

Há quem lhe chame castiço

Mas eu não me meto nisso

Prefiro o fado experimental

 

Por isso não me levem a mal

Os que preferem fado bailado

E há quem só prefira o fado.

 

http://www.youtube.com/watch?v=apROkg7zQ3s

 

http://www.youtube.com/watch?v=QoEZB0XvEZQ&feature=related

publicado por poetazarolho às 18:11 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 24.11.11

Velho rumo

 

Um novo rumo é preciso

Mas nunca o conseguirão

O homem, pr’a ser conciso

Condimenta este caldeirão

 

Petróleo, diamantes e ouro

Superam qualquer fragrância

Ao ódio visceral duradouro

Adiciona toda a ganância

 

Que impede rumos novos

Destrói qualquer evolução

E pelo que vejo, presumo

 

Não há salvação pr’os povos

A menos que calem o seu não

E prossigam no velho rumo.

publicado por poetazarolho às 21:47 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Quarta-feira, 23.11.11

Greve

 

Minha greve está guardada

Para uma histórica ocasião

Quando desatarem à porrada

Eu entro de manifesto na mão

 

Depois de tod’a gente aviada

Apelando à desmobilização

De toda esta enorme cegada

Onde não acaba a corrupção

 

E se nomeia outra comissão

Mas a conclusão deu em nada

E a corrupção saiu reforçada

 

Sugando os fundos à nação

Que assim se vê defraudada

Esta nação anda enfeitiçada.

publicado por poetazarolho às 23:31 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Terça-feira, 22.11.11

Enteados da nação

 

Mais pobres por necessidade

Ou porque faltará a riqueza

Não se assiste à equidade

Por isso não tenho certeza

 

Uns vivem com dificuldade

Outros senhores de farta mesa

Na distribuição haverá verdade

Quando a todos tocar a pobreza

 

Teremos todos este direito

Consagrado na constituição

“De sem vergonha empobrecer

 

E de oferecer às balas o peito”

Por ora somos enteados da nação

Que os seus filhos vê enriquecer.

publicado por poetazarolho às 23:39 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 21.11.11

E=mc²

 

Este mundo em convulsão

Por suposto não nos seduz

Nem sabemos se terá salvação

Partamos à velocidade da luz

 

Já o Albert Einstein dizia

Se a essa velocidade viajares

Passaram cem anos num dia

Quando de novo cá voltares

 

Parte sem te preocupares

Com esta crise em ascensão

Pois àquela velocidade

 

Quando ao fim do dia chegares

Já não verás nenhuma confusão

Terás comprovado a relatividade.

publicado por poetazarolho às 23:06 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Domingo, 20.11.11

Obrigado Johann

 

Enquanto Johann existir

Não acaba a felicidade

Glória sempre a subir

É soberba a musicalidade

 

Um génio sempre presente

Toca-se “in nomine dei”

Sons mexem com a gente

E mais não vos explicarei

 

Pode tocar-se para violoncelo

Para violino, cravo e flauta

Até tocado num mano a mano

 

O som flui fresco e belo

Mesmo não existindo pauta

Podes interpretá-lo ao piano.

 

http://www.youtube.com/watch?v=jvi0gIJ6wWk&feature=related

 

http://www.youtube.com/watch?v=busdLxl15q8&feature=related

publicado por poetazarolho às 18:27 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sábado, 19.11.11

Eu Show Portugal®

 

“Eu Show Portugal”

Uma marca registada

Aqui tudo é colossal

Desd’aquela alvorada

 

Dinheiro não mais faltou

Foi roubar à descarada

Muita fortuna se criou

Mas ninguém sabe de nada

 

Hipotecou-se o futuro

Da nação de navegadores

Embarcação foi abatida

 

Passado fora muito duro

Presente é cheio de dores

Futuro será em ferida. 

publicado por poetazarolho às 19:22 | link do post | comentar | ver comentários (4)

Favorito

mais sobre mim

links

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

blogs SAPO