Quarta-feira, 29.08.12

A longa corrida

 

Trabalhadores e artistas
São uma boa solução

Raro são conformistas

Não raro dizem que não

 

Tudo o que vês te darei

Se quebrares a vontade...

Obrigado, não precisarei

Eu fiz voto de humildade

 

É longo o meu caminho

Mas nunca pela riqueza

Tudo o que vês eu produzo

 

Sem descanso, com carinho

E podes ter plena certeza

Nunca o fiz para meu uso.

publicado por poetazarolho às 21:03 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Terça-feira, 28.08.12

Se é crise

 

Se é crise exige reacção

Se é crise exige sagacidade

Se é crise não é negação

Sendo crise de verdade

 

Se é crise exige perseverança

Se é crise não é estagnação

Se é crise traz a mudança

Que conduz à evolução

 

Se é crise apela à criatividade

Se é crise apela ao lado humano

Se é crise é incitamento

 

Se é crise é oportunidade

De viver o lado mundano

Vive a crise do momento.

publicado por poetazarolho às 19:27 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 27.08.12

Viela fmi

 

Muito obrigada fmi

Tenho casa singela

Podes aumentar imi

Eu fico aqui à janela

 

A acenar só para ti

Vês como sou bela

E nunca m’esqueci

Do nome desta viela

 

É uma viela de paixão

Sou fã da alta finança

Dou minha vida por ela

 

Tanta é minha devoção

Vou deixar-te d’herança

A minha casa amarela.

publicado por poetazarolho às 21:09 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sábado, 25.08.12

Povo fmi

 

De um trago a revolução

No cálice que transbordava

De violência e opressão

Contra o que discordava

 

Pois era só de uns a razão

Enquanto não se acordava

Acordou-se p’rá discussão

Mas se alguém pensava

 

Que por haver constituição

Alguma coisa mudava

Podem desenganar-se então

 

Pois agora é gente escrava

De um poder de repressão

Que antes não se imaginava.

publicado por poetazarolho às 18:18 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 23.08.12

Obrigado fmi

 

Abril e revolução

Crise a cada esquina

Está verde p’ro peão

Nesta luta intestina

 

Obrigado fmi

Pelo negro pintado

Nesse outro peão aí

À parede encostado

 

Negro não é esperança

Roubar não é Abril

Esquina é contradição

 

Nunca houve mudança

Deste povo servil

A quem roubaram a razão.

publicado por poetazarolho às 20:30 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quarta-feira, 22.08.12

Navegantes

 

Navega a favor dos ventos

Qu’eles mostram o caminho

Ainda que só, por momentos

Nunca te julgues sozinho

 

Tens o vento por companhia

Que a bom porto te levará

Se navegares em harmonia...

Tempestade um dia surgirá

 

Então não esqueças os valores

Aprendidos durante a bonança

Recusa essa frase repetida

 

Põe de parte os rancores

Coloca nos pratos da balança

As diversas fases da vida.

publicado por poetazarolho às 20:55 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Segunda-feira, 20.08.12

Inimputável

 

O bem estar social

Não parece razoável

Por isso o presente sinal

P’ra torná-lo insustentável

 

P’ra concretizar sem prurido

Empobrecimento é inevitável

É lícito e para ser cumprido

Eu sei que não é agradável

 

Pobrezinho e agradecido

Por te deixarem viver

Neste equilíbrio instável

 

Agradece por teres morrido

Muito digno e a padecer

Na sociedade inimputável.

publicado por poetazarolho às 19:30 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sábado, 18.08.12

Imagina-te

 

Imaginação sem limites

Não consegue imaginar

Por vezes só dá palpites

Outras nem consegue dar

 

Não perguntem razões

Deste vazio imenso

Onde habitam alucinações

Num deambular intenso

 

Sei que existe fronteira

A separar hemisférios

Só não tenho a certeza

 

Quem da loucura se abeira

Ao deixar o reino dos sérios

Se imagina com clareza.

publicado por poetazarolho às 22:39 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Quinta-feira, 16.08.12

Assassinar o mundo

 

O mundo está insolvente

Mas liquidez não lhe falta

Só no pensamento vigente

Não há valores na ribalta

 

Até é moda nem pensar

Muito além do momento

Até é moda não estudar

Qu’esgota o pensamento

 

Vai de valores desprovido

E pensamento moribundo

Rodando em torno do eixo

 

Quase morto e assim despido

Querem assassinar o mundo

Podem fazê-lo qu’eu deixo.

publicado por poetazarolho às 19:35 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 14.08.12

Portões do inferno

 

Acredito que entramos

Aos portões do inferno

Nesta vida que levamos

Antes mesmo do inverno

 

Não, não vejo alternativa

Nem uma vida mais pura

Só esta actual missiva

Qu’oferece vida mais dura

 

Pr’a viver tens de pagar

Uma taxa p’ra respirar

Ou então sufocarás

 

É pois hora de entrar

E nossas almas entregar

Aos cuidados de satanás.

publicado por poetazarolho às 20:00 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Favorito

mais sobre mim

links

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

blogs SAPO