Quarta-feira, 31.10.12

Dia das bruxas

 

 

Halloween muito feliz

Nossa antiga tradição

Pelo menos assim se diz

A mim parece-me que não

 

Com abóboras iluminadas

E um sorriso recortado

Abóboras parlamentadas

E o orçamento votado

 

Sentido de dever cumprido

Para este país refundar

Com gostosura ou travessura

 

Parece que está decidido

Isto é mesmo pr’afundar

Não é das bruxas a loucura.

publicado por poetazarolho às 19:14 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 29.10.12

Refundidos

 

É tempo de refundar

Três vivas à refundação

Antes mesmo de afundar

Esta belíssima nação

 

E eu que vos proponho

Este brinde vigoroso

Estarão comigo suponho

Em momento valoroso

 

Refundados nós teremos

Outro futuro, outra vida

Mais além chegaremos

 

Pátria de novo nascida

Refundados nós seremos

Viva a pátria refundida.

publicado por poetazarolho às 23:20 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sexta-feira, 26.10.12

Repetição

 

Repetição do passado

Nos futuros que virão

Tão certos com’os fados

Da nossa melhor tradição

 

Assim como a saudade

Não ficará do presente

Dum tempo d’insanidade

Povoado de gente demente

 

Há esperança que não morre

Mas é certo ficará insana

Com tantas desilusões

 

Vendo esta gente que corre

Contra a sua raça humana

Num futuro com repetições.

publicado por poetazarolho às 19:55 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Quarta-feira, 24.10.12

Memórias

 

Memória do futuro

Que será glorioso

Nascerá prematuro

Do presente mafioso

 

Se o passado foi duro

Por vezes andrajoso

Tudo será obscuro

Com carga de odioso

 

Apenas nas memórias

Ou estórias de ficção

Feitos como nunca se viu

 

E outras tantas glórias

Às memórias renderão

Aquilo que não existiu.

publicado por poetazarolho às 21:11 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 22.10.12

Pedrada filosofal

 

Eles sabem e sonham

O lucro comanda a vida

E sempre que não lucram

É oportunidade perdida

 

E se os lucros aumentam

É felicidade atingida

Mais lucros fomentam

Nesta escalada incontida

 

O mundo pula e avança

Entre as mãos do banqueiro

Que esta alegria preserva

 

Faz a gestão da poupança

Para o lucro vir primeiro

E proteger a reserva.

publicado por poetazarolho às 20:40 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sábado, 20.10.12

Chama-se Jesus

 

Chama-se Jesus

História de amor

Termina na cruz

Com mágoa e dôr

 

Trouxe-nos a luz

Este testemunho

Que o amor induz

E um novo cunho

 

Palavra renovada

É pela sua acção

Que eu me renovo

 

Sigo esta estrada

É minha intenção

Ser um homem novo.

publicado por poetazarolho às 20:29 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 18.10.12

Nova república

 

É república renovada

Em nome do amor

A par duma intifada

Que iremos propor

 

Contra regime atroz

Quando nada faria supor

Volta o dente contra nós

Com enorme despudor

 

E nós sem pudor nenhum

Numa próxima madrugada

Levantaremos o véu

 

Que acabará com o jejum

Quando já não sobrar nada

Resta-nos pôr tudo ao léu.

publicado por poetazarolho às 21:02 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 16.10.12

Caminho da eternidade

 

Ao viver a eternidade

Com a eterna saudade

Conserva a felicidade

Tal qual na mocidade

 

Expande os horizontes

Muito além do banal

Bebe a água das fontes

Alimenta o espiritual

 

Que será tua passagem

Para a vivência eterna

Onde os justos repousam

 

Desfruta toda a viagem

Numa harmonia interna

Que só os deuses ousam.

publicado por poetazarolho às 23:07 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sábado, 13.10.12

Nobel da amargura

 

Crianças com fome

Triste esta realidade

Aqui onde se come

Podes crer é verdade

 

Neste lugar em paz

Onde a guerra existe

Não se voltará atrás?

Será que a paz resiste?

 

Aqui nesta terra ardida

Onde o fogo se extinguiu

Resta-te a parte da vida

 

Que o fogo não consumiu

E a felicidade conseguida

Como a esperança, ruiu.

publicado por poetazarolho às 19:31 | link do post | comentar
Quinta-feira, 11.10.12

Luz de esperança

 

A liberdade caminha

E esperança a seu lado

Assim já se adivinha

Qual será o resultado

 

Da liberdade que avança

Sem ver o povo castrado

Por uma má governança

Todos unidos num fado

 

Erguem o país solidário

Que olha os filhos seus

P’la bitola da igualdade

 

Do deputado ao operário

A nenhum diz adeus

Pois pratica a liberdade.

publicado por poetazarolho às 22:39 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Favorito

mais sobre mim

links

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

blogs SAPO