Sábado, 30.11.13

Sem história

 

Fazendo a tua história

Vais correndo devagar

Fixa-te nessa memória

Para que a possas contar

 

Dos fracos ela não reza

Será essa a triste sina

A história menospreza

Essa vida tão pequenina

 

Mesmo sendo triturados

Por outra história maior

Nunca seremos lembrados

 

Em todo o nosso labor

Somos os esconjurados

Filhos duma história menor.

publicado por poetazarolho às 20:04 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Quarta-feira, 27.11.13

Ser humano não

 

Nosso mundo evoluiu

Mas o ser humano não

E portanto destruiu

Toda essa evolução

 

Continuou primitivo

E sobretudo egoísta

De instinto destrutivo

E espírito esclavagista

 

Humanidade deprimente

Que luta por deus dinheiro

E o seu irmão maltrata

 

Ouvi dizer recentemente

Que esse deus é o primeiro

E que a economia mata.

publicado por poetazarolho às 23:45 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sábado, 23.11.13

Acorde profundo

 

Sem harpa nem acorde

Cantei o amor profundo

Lá onde o silêncio morde

Com o nada me confundo

 

Aquilo que não entendi

A alma descodificou

E com o coração senti

Mas não sei onde vou

 

Caminho a descobrir

Essa é uma constante

Da intensa caminhada

 

Aceitar o que há de vir

Embora sem acorde cante

O amor a cada passada.

publicado por poetazarolho às 22:53 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quarta-feira, 20.11.13

Beber o mundo

 

Transforma-te em emoção

Bebe o mundo devagar

Procura um outro lugar

Depois da transformação

 

Aplica-te sem presunção

Na arte de apreciar

Sem ter pressa de mudar

Aprende a desconstrucção

 

Em emoção transformado

Com o mundo desconstruído

Inicia um novo mundo

 

Onde não seja rejeitado

E onde faça algum sentido

Esse sentir mais profundo.

publicado por poetazarolho às 22:25 | link do post | comentar
Sexta-feira, 15.11.13

Factores

 

Na parede da minh’alma

Vou mandar grafitar

Inspirado em doce calma

“Amar, criar, realizar,...”

 

E se tal não conseguir

Pelo menos vou tentar

Outra dinâmica imprimir

E realizar, amar, criar...

 

Que a ordem dos factores

Nesta complexa equação

Não sendo de desprezar

 

Deixá-la-ei aos doutores

E escutando o coração

Vou criar, realizar, amar...

publicado por poetazarolho às 19:50 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quarta-feira, 13.11.13

Explosão

 

Próxima com cravos não

Que nós não somos parvos

Faça-se outra revolução

Com tiros em vez de cravos

 

Este povo tanto aguenta

Às mãos da mediocridade

Vai daí um dia rebenta

Espalhando fel de verdade

 

Será um veneno poderoso

Que minará forte o regime

E lá longe todos escutarão

 

Grito do povo antes receoso

Que alguém tanto comprime

Fazendo eclodir a explosão.

publicado por poetazarolho às 21:05 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Segunda-feira, 11.11.13

Próxima eternidade

 

É fruto da sociedade

O resultado escolar

Não nos deve espantar

Essa falta de equidade

 

Não havendo serenidade

Tendência é pr’agravar

A ferros iremos marcar

A próxima eternidade

 

Colégio produz doutores

E a escola o nobre povo

Todos da nação valente

 

E neste país de favores

Não vislumbro nada novo

Nem vejo nada diferente.

publicado por poetazarolho às 21:56 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sábado, 09.11.13

Outono

 

Outono olhos castanhos

Invernos negros de frio

Primavera verdes tamanhos

Verão vermelhos de estio

 

Vejo as folhas da alma

Que cobrem o pensamento

Caindo em tarde calma

Aproveita-se o momento

 

Vê-se ao longe um sinal

Qual estrela em firmamento

Numa galáxia preenchida

 

Pois as estações afinal

Serão do ano acontecimento

Mas também o são da vida.

publicado por poetazarolho às 19:20 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 07.11.13

Vida

 

Amo-te no WC

Amo-te em qualquer lado

E depois logo se vê

Qual será o resultado

 

Deste amor fugidio

Que não escolhe lugar

Nenhum lugar é sombrio

Quando é feito para amar

 

Faz-se luz da escuridão

Neste desígnio tão belo

E desta forma decidida

 

Nasce o imenso clarão

Produz-se milagre singelo

Que desagua na vida.

publicado por poetazarolho às 22:15 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 04.11.13

Grito humano

 

Permitimos atrocidade

Além da compreensão

Dizemo-nos sociedade

No topo da evolução

 

Revelamos cumplicidade

Para com esta situação

Acicatamos a vaidade

Sem qualquer explicação

 

Somos a humanidade

Que diz possuir coração

Não mostramos ansiedade

 

Apesar desta contradição

Ser humano de verdade

Ou desumano por convicção.

publicado por poetazarolho às 21:36 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Favorito

mais sobre mim

links

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

blogs SAPO