Domingo, 28.02.16

Puzzle

Puzzle.jpg

Cristo está em cartaz

Os homens no purgatório

Nossa existência fugaz

Que seria sem falatório

 

Neste puzzle que é a vida

Vão saindo peças à sorte

Última peça recebida

Será a peça da morte

 

Cristo continuará

Sua infinita caminhada

Salvando-nos com sua dor

 

Uma outra peça nos dará

Pois o puzzle não seria nada

Sem receber a peça do amor.

publicado por poetazarolho às 00:03 | link do post | comentar | ver comentários (5)
Quarta-feira, 24.02.16

Existindo

Existindo.jpg

Existir, eu não existo

Mas sim, penso existir

E como tal não desisto

De me tentar exprimir

 

Se acaso não pensara

Existir nunca poderia

Mas a existência é bizarra

Pois não há dela garantia

 

Neste mundo de pensar

Tudo é efémero, enfim

E carece de confirmação

 

Pode-se à existência chegar

Mas embora digam que sim

Tu podes pensar que não.

publicado por poetazarolho às 00:25 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Segunda-feira, 22.02.16

Lei morta

Lei morta.jpg

Proclamam que tudo é lei,

Como se fora mesmo assim

Mesmo presidente ou rei

Não posso dizer-lhes sim

 

Dos homens, sei quanto sei;

Não antevendo um bom fim

Mas empecilho nunca serei

Se eles o querem, enfim,

 

Como as ondas rebentando,

Envolvem em espuma os dias

Na vazante ou maré cheia

 

Ah, fosse tão só na areia

Mas a vida tem outras vias

Mesmo com a lei controlando.

publicado por poetazarolho às 23:45 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Domingo, 21.02.16

Pegadas na areia

Pegadas na areia.jpg

Mentira desmentida

A verdade não revela

Continuando escondida

Uma grande parte dela

 

Como pegada na areia

É socalco no coração

À razão não presenteia

Um floco de emoção

 

É cambiante de vida

Mensagem por descobrir

Quebra-cabeças constante

 

Com solução dividida

Entre a vontade de partir

Conservando cada instante.

publicado por poetazarolho às 12:33 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sexta-feira, 19.02.16

Nosso fado

Nosso fado.jpg

A poesia é o povo

E o povo é a poesia

Isto até que um dia

Possa surgir algo novo

 

Então o povo será

Tudo excepto poema

Mas será de novo tema

Daquilo que conquistará

 

Contra os canhões sim

Pela dignidade perdida

P’ra não ser escravizado

 

Marcharemos assim

Que a poesia é a vida

E o verso é o nosso fado.

publicado por poetazarolho às 23:17 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 18.02.16

Certidão de amor

Certidão de amor.jpg

O que se leva da vida

É a morte tão somente

E uma certidão imprimida

Que não lerás certamente

 

Não penses, reflecte apenas

Pois nunca sendo imortal

Porque infliges essas penas

Àquele que é teu igual

 

Tenta melhorar um pouco

Enquanto tenhas juízo

Antes de enfrentar o horror

 

Em breve darás em louco

Se não distribuíres um sorriso

Se não partilhares o amor.

publicado por poetazarolho às 00:15 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Quarta-feira, 17.02.16

Vazio

Vazio III.jpg

Eu sou o deus da guerra

Não dou a paz a ninguém

Quero a destruição da terra

E de tudo mais além

 

Nada mais renascerá

Esta é a minha divisa

Também nada morrerá

Se não nasce não precisa

 

E assim crio o vazio

Para memória futura

Da memória inexistente

 

Depois disso já não crio

Pois o vazio perdura

E a ele sou indiferente.

publicado por poetazarolho às 00:18 | link do post | comentar | ver comentários (7)
Domingo, 14.02.16

Excepções

Excepções.jpg

Todo o ser é excepção

À teórica normalidade

Esta a beleza da criação

Permitindo excentricidade

 

Tudo está em equação

Até  a própria realidade

Todas as realidades terão

Fundamentos de verdade

 

Ondas de choque reais

A cada momento geradas

Impulsionadoras da mudança

 

São estas as forças brutais

Quase sempre ignoradas

P’las quais o mundo avança.

publicado por poetazarolho às 21:45 | link do post | comentar | ver comentários (9)
Sexta-feira, 12.02.16

Penas

Penas.jpg

Muita pena que não seja

Nenhuma pena de não ser

Pois muita pena sobeja

A quem à pena se submeter

 

Sem pena vou avançando

Sem penas é o caminho

Um dia sem penas chegando

Com pena se chego sozinho

 

Desta forma vou tentando

Todas as penas não ter

Concluirei um dia apenas

 

Com penas que fui suportando

Muito à custa de resolver

Ir-me esquecendo das penas.

publicado por poetazarolho às 22:59 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 09.02.16

Sete mares

Sete mares.jpg

São oceanos d’esperança

Não ribeiros de lamentação

Imagem viva na lembrança

Certezas perdidas em vão

 

Neste mundo de incerteza

De imagens que o não são

Vale uma visão de firmeza

Mesmo se turvada a visão

 

Serão mares por navegar

Assim que passada a ilusão

Duma inexistente bonança

 

Águas revoltosas p’ra sulcar

Sempre foram e sempre serão

Caminhos que o mar nos lança.

publicado por poetazarolho às 17:36 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Favorito

mais sobre mim

links

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

blogs SAPO