Cenas futuras

 

O “filme do desassossego”

É um desassossego pegado

Hei-de vê-lo no aconchego

E dá-lo-ei por confirmado

 

Já “O botânico no Alentejo”

É música pr’os meus ouvidos

Quando o vir haverá festejo

Por ora estão ambos absolvidos

 

Farão parte do meu imaginário

Estas cenas ainda não registadas

Logo que possam ser visionadas

 

Agora estão a aguardar horário

Que o tempo é um bem escasso

Estão absolvidas e a marcar passo.

publicado por poetazarolho às 21:55 | link do post | comentar