Relativamente

 

Ergo a taça ao Alberto

Que lá na sua cidade

Com seu espírito aberto

Fez nascer a relatividade

 

Viu a velocidade da luz

Ao quadrado vezes massa

Que uma energia produz

Na qual o tempo não passa

 

Não envelheces portanto

Se com o Alberto viajares

Embarcarás na fissão nuclear

 

Não faças esse ar d’espanto

Bastará para o comprovares

Que olhes o espelho ao chegar.

publicado por poetazarolho às 18:49 | link do post | comentar