O vôo das borboletas

 

Estamos num estado larvar

Da teoria do Darwinismo

Havemos de nos libertar

Do nosso enorme cinismo

 

Atingiremos a evolução

Num estado mais avançado

Da larva borboletas surgirão

Iniciando um enorme bailado

 

Se não nos salvarmos então

Ninguém mais nos salvará

E as borboletas morrerão

 

Com elas o bailado, a ilusão

E nada mais nos restará

Apenas o vazio da implosão.

publicado por poetazarolho às 23:13 | link do post | comentar