Peixe podre

 

Temos os sobredotados

Insuspeitos do costume

E por eles governados

Sem queixa ou azedume

 

Vamos sendo humilhados

E vai ficando o perfume

Espalhado pelos mercados

A peixe podre, em cardume

 

Nas lotas abandonados

Cheios de moscas, retalhados

E em lotes arrematados

 

Cada caixa a meio tostão

E para gáudio dum milhão

Governo cumpre a missão.

publicado por poetazarolho às 21:11 | link do post | comentar