Humana jaula

 

Mandam e nós pagamos
Não há outra condição

Ou margem p’ra enganos

Nem espaço à revolução

 

Os humanos revoltados

Levam bastonadas no pêlo

Os humanos fraccionados

Não respondem ao apelo

 

Os humanos venderam

A sua consciência social

Ao fascínio de consumir

 

Na sociedade que criaram

Para o bem e para o mal

Donde não conseguem sair.

publicado por poetazarolho às 19:21 | link do post | comentar