Poema regressado

 

Eu estou aprisionado

Neste mundo exterior

Sou poema amordaçado

Que não liberta a dor

 

Por vezes atormentado

Procuro-me recompor

Outras vezes desgastado

Sinto um leve torpor

 

Nas sílabas enredado

Solto às vezes um clamor

Em palavras mastigado

 

Luto p’ra ser libertado

Volto ao mundo interior

Sou poema regressado.

publicado por poetazarolho às 16:09 | link do post | comentar