Reinemos

 

Reinar, eu reinaria

Como rei da reinação

No reino da alegria

Como ceptro, o coração

 

Sem palácio ou coroa

E sem venerar a riqueza

Neste reino o povo entoa

“É de todos a pobreza”

 

É de areia seu castelo

De papel o seu portão

Da paz a sua bandeira

 

Este é um reino singelo

Onde todos sem excepção

São reis à sua maneira.

publicado por poetazarolho às 23:21 | link do post | comentar