Selvagens

 

Se não sentiram na pele

Deviam respeitar memórias

Mas não é esse o papel

Destes contadores d’estórias

 

Vergonha há muito caiu

Nós fomos na avalanche

E assim o respeito ruiu

Tudo obra de revanche

 

Não é homem contra homem

Mas animal contra animal

Ao rei prestam vassalagem

 

Só assim o naco comem

Neste tempo onde afinal

Só singra o mais selvagem.

publicado por poetazarolho às 22:57 | link do post | comentar