Mundo de rugas

 

Esperança e harmonia

Não vejo no horizonte

Era aquilo que eu queria

Beber água dessa fonte

 

Mas o pior está p’ra vir

Vai varrer o universo

E há-de nos conduzir

A um destino perverso

 

Não vejo uma liderança

Só vejo homens banais

Parecendo sanguessugas

 

Assim não há esperança

Vejo no mundo uns sinais

Na minha cara umas rugas.

publicado por poetazarolho às 00:38 | link do post