Cristo vive

 

Sabemos a festa acabou

Mas o sabor permanece

Pelo que se alcançou

O coração não endurece

 

Deus quem nos coroou

Nunca um filho esquece

Quem assim nos habituou

Um ninho de amor tece

 

Sabendo por onde vou

Vendo o que está pra vir

A todo o vento resisto

 

Nunca nada me abalou

Nem me poderá destruir

Somente a morte de Cristo.

publicado por poetazarolho às 20:08 | link do post | comentar