Maio

 

Maio sonha trabalhador

Alavanca da sociedade

Sente toda a sua dor

Não pensa em fatalidade

 

Constrói com seu labor

Espelhos da humanidade

De alma trajada a rigor

É forte nessa vontade

 

Gasta toneladas de suor

A esculpir obra ignorada

Que lhe pagam a tostão

 

Inicia com todo o fulgor

Passo duma nova jornada

Que há-de ser sua missão.

publicado por poetazarolho às 12:29 | link do post