Coisa simples

 

A perfeição lapidada

Assume a simplicidade

Duma carícia pensada

Da nota que sem veleidade

 

Em música é transformada

E assim nos enche a alma

Sempre surgida do nada

Na quietude da tarde calma

 

Vale muito mais que ouro

Coisa simples sem cotação

Surgindo sem ser pensada

 

Quase sempre um tesouro

Que brota do coração

Iluminado a caminhada.

publicado por poetazarolho às 00:34 | link do post