Fumar a crise

 

Se a crise entrar em crise

É que a malta se endireita

Por hora a crise é perfeita

Mas pode ser que deslize

 

Se a crise for persistente

Então a malta tá quilhada

Pois crise assim é tramada

Não há santo que aguente

 

Vou fumar um cigarrinho

Daqueles que dá pr’a rir

Esqueço a crise é certinho

 

Outros amigos hão-de vir

Atraídos por este cheirinho

Para sobre a crise reflectir.

publicado por poetazarolho às 00:49 | link do post | comentar