Domingo, 08.01.12

Não vou

 

Estilo de todos os poetas

Nenhum consigo decifrar

Poemas pr’a mim são ofertas

Que vêm e vão a cantar

 

Cantam e contam a mágoa

Exteriorizam sentimentos

Vai correndo muita água

Lágrimas de vários lamentos

 

Meu estilo não tenho

Nem sequer poeta sou

Estou aqui e intervenho

 

Porque voz interior ecoou

Mesmo com todo o empenho

Além do que sou não vou.

publicado por poetazarolho às 00:44 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sexta-feira, 06.01.12

[R]evolução

 

À loja Mozart vais comprar

Um piano de cauda a estrear

Podes também influenciar

Quem pensa estar a mandar

 

Pensa mas não manda nada

Podia a loja ser fechada

Convém manter a fachada

Em estado novo e caiada

 

Estado novo é novo estado

Neste tempo de evolução

Em que o “r” foi retirado

 

Compra um piano restaurado

Um saxofone e um violão

E compõe a tua revolução.

publicado por poetazarolho às 22:58 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 05.01.12

Crónica da última sinfonia

 

São tocadores de piano

Na mesma tecla martelam

Pr’ó concerto deste ano

Ouvintes nem interpelam

 

Os ouvintes ensurdeceram

Tal não foi a cacofonia

E quando à rua desceram

Terminara a sinfonia

 

A rua já não existia

Só o caminho pr’ó inferno

Da mais longa desilusão

 

O tocador que insistia

Morreu no último inverno

Só ficou a recordação.

publicado por poetazarolho às 21:50 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Quarta-feira, 04.01.12

Casino em chamas

 

É na democracia possível

Que o casino está a arder

Nunca julgámos ser crível

Mas acabou por acontecer

 

Há tanta loja de perfumes

Vi tanta pomba assassinada

Já não há lugar a queixumes

Aconteceu, não fizemos nada

 

Palco foi dado aos actores

Na peça que nos envergonha

Viu-se que são impostores

 

Nunca julgámos seria assim

Bando de actores sem vergonha

Que arda o casino até ao fim.

 

http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&NR=1&v=7waWNvGO2C8

publicado por poetazarolho às 23:02 | link do post | comentar | ver comentários (6)
Terça-feira, 03.01.12

Ajustar as velas

 

Há um tempo na nossa vida

Queremos o vento mudar

Pela razão que nos é devida

Ou assim chegamos a pensar

 

Mas a razão não nos pertence

Aprendemos a viver o momento

Mesmo se a vida não nos vence

Ensina-nos a entender o vento

 

A não esperar a sua mudança

A abrigarmo-nos numa enseada

A apreciarmos as coisas belas

 

Quando navegamos na bonança

E que a tempestade é ultrapassada

Tão somente ajustando as velas.

 

http://www.youtube.com/watch?v=IszBOXGRe7w&feature=related

publicado por poetazarolho às 21:52 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 02.01.12

Bife à Trindade

 

Toda a gente é pessoa

Pessoa é toda a gente

Lá no chiado em Lisboa

Que na Brazileira se sente

 

Vem odor genuíno a café

Lembra tertúlias de outrora

Que outrora agora já não é

É correria ensurdecedora

 

Sinais de tempos atípicos

De uma cultura levíssima

Poesia são pratos típicos

 

E em abono da verdade

Prefiro uns metros acima

Comer um bife à Trindade.

publicado por poetazarolho às 22:27 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Domingo, 01.01.12

2012 com alma

 

Dificuldade na oportunidade

É o que nos diz o pessimista

Oportunidade na dificuldade

Diz por sua vez o optimista

 

“Esta Europa vai salvar-se”

Diz-nos Mestre Nadir Afonso

Um optimista a expressar-se

E o discurso não é insosso

 

É um discurso com muito sal

Serão as lágrimas de Portugal

Do grande mestre da poesia

 

Que com optimismo nos dizia

Sempre tudo valerá a pena

Porque a alma não é pequena.

publicado por poetazarolho às 19:25 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Favorito

mais sobre mim

links

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

blogs SAPO