Terça-feira, 30.01.18

Mentes em evolução

Mentes em evolução.jpg

Há coisas que fluem

Há mentes que não

Mentes que evoluem

E as coisas seguirão

 

Mundo digital binário

Ou analógico global

O instinto primário

Não é só do animal

 

Faz parte do ideário

Da humanidade em geral

Em épocas de renovação

 

Fim à mente de aviário

Não à mente colossal

Nem à mentecapta dissertação.

publicado por poetazarolho às 14:53 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 16.01.18

É o sol

É o sol.jpg

Espelhado na ondulação

Luz da lua ao cair da noite

É o fruto da imaginação

Até onde esta se afoite

 

É tudo mais porque não

E agora quero ser nada

Não pensar na situação

Quero ser a tua estrada

 

Pisa apenas meu caminho

Imagina o que te aprouver

Mas não retenhas a lição

 

Posso ser um porco-espinho

Posso estar onde quiser

Mas não picar tua mão.

publicado por poetazarolho às 06:59 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sexta-feira, 12.01.18

Há coisas

Há coisas.jpg

Há coisas a acontecer

E outras não acontecem

Há pessoas a adormecer

E outras não adormecem

 

Há corpos a aquecer

Enquanto outros arrefecem

E gente a enriquecer

Enquanto outros empobrecem

 

Há coisas e corpos no chão

Coisas que não se conhecem

E até gente sem coração

 

Há coisas que não merecem

Quem as possa ter na mão

E coisas que não se esquecem.

publicado por poetazarolho às 22:21 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 02.01.18

Desumanidade

Desumanidade.jpg

Filósofos em extinção

Deixaram-nos a filosofia

Os poetas onde estão

Apesar de tanta poesia

 

Já não existe revolução

Onde outrora existia

Não é importante o pão

E menos quem o comia

 

Para onde vai a intenção?

Parte em busca da verdade

Sabendo que nunca existiu

 

E porquê a interrogação

Em torno da humanidade

Se esta já se extinguiu.

publicado por poetazarolho às 04:47 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Solidões

Solidões.jpg

Eu te aviso meu irmão

Que o amor é importante

Não me roubes a solidão

Se pensas ficar distante

 

Sinto bem a tua aflição

Nessa indefinição oscilante

Tua ausência é contradição

Tua presença insignificante

 

Não respeita a intenção

De cultivar a verdade

Duma solidão preservada

 

Pois não existe coração

Que ofereça solidariedade

Se na alma não traz nada.

publicado por poetazarolho às 04:45 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Favorito

mais sobre mim

links

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

blogs SAPO