Terça-feira, 27.11.18

Equacionado

Equacionado.jpg

Desconheço a equação

Liberto o pensamento

Ignoro a contradição

Desnudo o argumento

 

Já não escuto a razão

Guiado ao sentimento

Preparada a inflexão

Se chegado o momento

 

Desfaço esta ilusão

Na penumbra escondida

Contradigo qualquer lei

 

Sem cair em contradição

Respeito a lei da vida

Cuja equação não sei.

publicado por poetazarolho às 23:58 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 26.11.18

Infinitos

Infinitos.jpg

“Nem no peixe pára a escama...”

Pobre peixe tão escamado

Maltratado e não reclama

Sem escama todo molhado

 

Quem lhe tece essa trama

Escapa sem ser tramado

De cetim é a sua cama

O outro dorme aninhado

 

Dicotomia das existências

Sempre em linhas paralelas

Mal escutam este grito

 

Fala-se em coincidências

Mas não acredito nelas

Nem que seja no infinito.

publicado por poetazarolho às 18:57 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Domingo, 25.11.18

Correr o tempo

Correr o tempo.jpg

“De futurar como quis”

Com a melhor intenção

Mas só o futuro o diz

Se futurou bem ou não

 

Que o agora não prediz

E o passado também não

E enquanto não decidis

Vai faltando a decisão

 

Mas o futuro não aguarda

Corre à frente do presente

Sem nunca ser alcançado

 

O passado fica em guarda

Guarda memórias da gente

À espera de ser recordado.

publicado por poetazarolho às 22:24 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Profeta procura-se

Profeta procura-se.jpg

“Numa caverna obsoleta...”

E sem ar condicionado

Viveu um dia um profeta

Pla profecia ultrapassado

 

E a humanidade inquieta

Fez saber por tod’o lado

Que de profecias repleta

Teria o futuro desejado

 

E novos profetas criou

Nesse futuro prometido

Pra sua inteira satisfação

 

Mas de novo se inquietou

Viu cada profeta engolido

Pla sua enorme ambição.

publicado por poetazarolho às 17:58 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Há festa em Marte

Há festa em Marte.jpg

“Não mais serão impolutos”

Com a humana poluição

Mas se acaso forem brutos

Darão ordem de expulsão

 

À imensa corja de astutos

Antes que lhes deitem mão

Encham Marte de viadutos

Rotundas, arquinho e balão

 

Que o povo gosta de festa

Mas os marcianos talvez não

A seu tempo o saberemos

 

Se Marte também se presta

À nossa humana condição

E todos juntos beberemos.

publicado por poetazarolho às 12:35 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Marte corrupto

Marte corrupto.jpg

“Para a Terra, toda inteira”

Virá um dia certamente

Alguém que à sua maneira

Nos mereça inteiramente

 

Mas haverá quem não queira

Nesta terra estar presente

Afixado sinal numa beira

Para Marte siga em frente

 

Será Marte assim tomado

Por todo um mar de gente

Que uma nova Terra farão

 

É da Terra o nosso fado

Um fado nunca diferente

Em Marte haverá corrupção.

publicado por poetazarolho às 02:21 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sábado, 24.11.18

Chovem pérolas

Chovem pérolas.jpg

“E são muitas, essas vozes”

Que atingem às vezes o céu

E o céu atira-lhes nozes

Mas o burro não sou eu

 

São talvez os algozes

Porque o burro já morreu

Os porcos correm velozes

Não sei bem o que lhes deu

 

Talvez sejam mais iguais

Com as pérolas enfeitados

Que muita da porcaria

 

Talvez nem sejam animais

Pois porcos engalanados

Sempre enganam a maioria.

publicado por poetazarolho às 19:31 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Notícia à beira mar

Notícia à beira mar.jpg

“Paro e fico a ler jornais…”

Bem junto à beira mar

Pois que nunca são demais

Se nascem pra m’enganar

 

Esses e outros que tais

Já não os posso aturar

Mas digo a vós que passais

Podeis neles confiar

 

São a verdade perfeita

Pois transformam a mentira

Naquilo que o povo gosta

 

Realidade está desfeita

Mas se a notícia gira

Vê povo a tua resposta.

publicado por poetazarolho às 14:10 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Aparências

Aparências.jpg

Todos nós e a aparência

Que parece o nosso ser

Entre laivos de escorrência

Que teimam não parecer

 

Moldam a sobrevivência

Fruto de universal saber

Oferecido com insistência

A quem queira perceber

 

E assim a velha proposta

Do saber fundamental

Que parecia enterrada

 

Pode ser a nova aposta

Muito mais que um sinal

Da aparência renovada.

publicado por poetazarolho às 06:38 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sexta-feira, 16.11.18

Que se desfaz

Que se desfaz.jpg

Penso à velocidade da luz

Com o cérebro enferrujado

Tudo o que vejo faz juz

Ao pensamento enlatado

 

Este périplo só me seduz

Por não ir a nenhum lado

Isso também me conduz

À quase ausência de estado

 

Ou a um estado rarefeito

Que a seguir se liquefaz

Por sentir a compressão

 

Estado cristalino perfeito

Diamante que se desfaz

Por algo novo em gestação.

publicado por poetazarolho às 00:50 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Favorito

mais sobre mim

links

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

pesquisar neste blog

 

subscrever feeds

blogs SAPO