Vida ou não vida

 

Agora sinto-me nascer

A meio da caminhada

Outros nascem ao morrer

Vida essa desperdiçada

 

Que a vida não é viver

Não à vida amordaçada

É estar livre p’ra crescer

E de amarras liberada

 

Todos os dias crescemos

Na crença e na humildade

Se por acaso nascemos

 

Por nossa livre vontade

Se não já sabes morremos

Sem ter vivido de verdade.

publicado por poetazarolho às 00:56 | link do post | comentar