Brutal

 

Esta sociedade é brutal

Não por ser dos brutos

Esta sociedade infernal

É pertença dos argutos

 

Fazem uso da ignorância

Como carne para canhão

Alimentando a ganância

Levam tudo, até o pão

 

Que o ser sem alimento

Cedo perde a sua razão

Terreno p’ró sofrimento

 

Chega assim sem dizer não

Se lhe falam ao sentimento

Têm a sociedade na mão.

publicado por poetazarolho às 18:44 | link do post | comentar