A última rosa

 

Escondida atrás do muro

Está a humanidade inteira

Lá não encontrará futuro

Da rotura está à beira

 

Espreita, vê e finge não ver

O óbvio dos nossos dias

Que aquele que se esconder

Vítima de suas covardias

 

Vai assistir ao espezinhar

Do jardim do seu vizinho

Se nada fizer para o ajudar

 

E quando se vir sozinho

Voltarão para o maltratar

Terá trilhado seu caminho.

publicado por poetazarolho às 20:28 | link do post