Campanades a morts II

 

Que nos venham assassinar

Apenas podemos tombar

Nós não podemos ripostar

Pela paz devemos alinhar

 

Obrigado por nos tirarem

Três vidas na flor da idade

Não reclamamos se levarem

Mais vinte da nossa cidade

 

Uma linha ténue existe

Eu não sei bem onde fica

Divide essa paz da guerra

 

Estado de guerra persiste

Tudo o que vês personifica

O mal que vence na terra.

 

Inspirado em La Revolta Permanent (Lluís Llach)

http://www.youtube.com/watch?v=nIWkzlBycQM&feature=player_embedded#at=22

publicado por poetazarolho às 19:54 | link do post | comentar