Bairros negros

 

Há pontes possíveis

Até no bairro negro

Nestes tempos sofríveis

De imenso desassossego

 

Há muita falta de pão

Nos bairros desta cidade

Ninguém emenda a mão

É grande a ansiedade

 

Nos guetos da sociedade

Falta a responsabilidade

Esgotou-se a solidariedade

 

Não existe sensibilidade

Chegada a hora da verdade

Homem não é prioridade.

publicado por poetazarolho às 23:30 | link do post | comentar