A banalidade do mal

A banalidade do mal.jpg

Não há pensamento perigoso

Que o perigo está no pensar

Mas serás um criminoso

Se o teu pensamento parar

 

A ausência de pensamento

Converte tudo em banal

E o excesso do momento

Conduz à banalidade do mal

 

Estando o mal banalizado

Tudo terá justificação

Por suposta necessidade

 

De ter o mal confinado

P’la determinante razão

Que determinou a maldade.

publicado por poetazarolho às 00:15 | link do post