Castrense

Castrense.jpg

“Pego no leme, ergo o mastro

E todo o rumo é bem-vindo!”

Solto amarra e dou lastro

Deste porto vou partindo

 

Minha cabana por um castro

Chão pó, tecto colmo e rindo

Posso rir sem ser emplastro

Posso ser emplastro sentindo

 

Posso sentir o universo

No pulsar do firmamento

Posso sentir e não pensar

 

Pensar de modo diverso

E julgar que o momento

Não é momento de julgar.

publicado por poetazarolho às 11:40 | link do post | comentar