De mentes

De mentes.jpg

Foi à porta da loucura

Qu’espreitou a insanidade

P´lo buraco da fechadura

Sem revelar ansiedade

 

Aguardou o tempo exacto

Pr’atacar qualquer mente

Dum incauto em abstracto

Que de forma displicente

 

Sanidade deu de barato

Julgando ser indiferente

O ponto de intersecção

 

Entre pensamento e acto

Mas o cérebro já demente

Tarde verificou que não.

publicado por poetazarolho às 00:25 | link do post | comentar