Humanoides

 

Sendo grão de poeira

Duma existência finita

Descobriremos maneira

De ter vida mais bonita

 

Existência mais criativa

Do que esta vil ganância

Ou ficaremos à deriva

Na nossa primeira infância

 

Será um tempo perdido

Processo sem evolução

Espelho duma realidade

 

Antes não tivesse existido

Fosse um filme de ficção

Esta imagem da humanidade.

publicado por poetazarolho às 22:52 | link do post | comentar