Inexistência

Inexistência II.jpg

Sonho nunca sonhado

Fizera nascer a poesia

Que este ser quadrado

Rapidamente assassinaria

 

O verso assim esventrado

Muito assustado corria

Quem sabe ensanguentado

Sem se dar conta morria

 

Aqui jaz verso perdido

De má vida romanceada

Como se fosse o artista

 

Morreu antes de ter sido

A obra nunca sonhada

Na existência imprevista.

publicado por poetazarolho às 23:25 | link do post | comentar