Limites

Limites.jpg

Competência incompetente

Como linearidade circular

Contentamento descontente

Como alguém ousou pensar

 

Já não pensa linearmente

Já não sabe o que ousar

Já não se sente competente

Já se consegue contentar

 

Com a mediocridade vigente

Pois mais não vê alcançar

Toda esta limitada gente

 

Manda vir uma aguardente

Sentado à mesa num bar

Não pensa, não sabe, não sente.

publicado por poetazarolho às 00:45 | link do post | comentar