Mutatis mutandis

 

E no tempo repetidos

Somos seres andantes

Pela realidade envolvidos

Somos às vezes pensantes

 

Julgamo-nos evoluídos

E somos apenas mutantes

Simples animais distraídos

Revelamo-nos como errantes

 

Repetimos atrocidades

Em nome duma evolução

Que pensamos promover

 

Crescem as monstruosidades

Às quais não dizemos não

E assim escolhemos viver.

publicado por poetazarolho às 18:10 | link do post | comentar