Ser infinito

 

Aquilo que sou aceito

Se outro fosse também

Trato todos com repeito

Nenhum merece desdém

 

Outro em mim procurar

Ensina-me a conhecer

O que de mim esperar

Sem receio de perder

 

Nos caminhos percorridos

Pedaços de tanta gente

Nem esta independência

 

Pois egos pré concebidos

Podem aprisionar a mente

Levando à dependência.

publicado por poetazarolho às 19:33 | link do post